Páginas

domingo, maio 21, 2006

A arte de Milo Manara

Milo Manara dispensa apresentações, então vamos aproveitar e observando as imagens deixar nossa imaginação fluir num exercício criativo íntimo, alguns caminhos foram traçados, mas fique a vontade para seguir os seus. E aguarde em breve mais novidades sobre Manara.

Dorme e sonha paixão minha, sonha com anjos de candura acariciando seu corpo, sente os meus lábios tocarem os seus enquanto dormes, deixa-me sentir o teu perfume e roçar os seus cabelos com meus dedos, dormes, pois velo por ti.
Ela podia sentir a brisa em suas pernas, eriçando seus pêlos, a doce brisa vinda do mar, a majestade das ruínas erguendo-se sobre a pedra como se deuses antigos ainda estivessem ali, vigilantes e atentos, fazendo-a sentir-se protegida...
As formas desafiavam sua imaginação e as cores no céu pareciam impossíveis...Estaria ainda sonhando ou seu príncipe encantado a levava para seu castelo de nuvens?

Somente os bravos restariam ao fim da batalha, valeria a pena enfrentá-la ou deveria voltar correndo aos braços de sua amada? O que o esperia no final do dia, a paz de haver lutado e vencido ou a dor de morrer covardemente em sua cama? À batalha então, afinal a causa era a liberdade e sua amada era ela.
Voltar da batalha e respousar nos braços quentes da amada, sorver de seus lábios a certeza de uma escolha perfeita, o néctar de um dia glorioso, a paixão de seu corpo aureo...
Naquele momento o amante era o vento que tocava seu rosto, beijava sua pele, fazendo-a corar de suas investidas, o amante era a chuva que não tardaria, o pássaro que cantava alegremente a comunhão, o céu que observava a terra, a criação que resultaria disso tudo.
Postar um comentário