Páginas

quinta-feira, agosto 10, 2006

Coisas de Brasil: Perguntas que não calam em minha mente

Existe um lugar em que as pessoas comuns assistem impassíveis ao desenrolar da vida político-social de seu país, onde não se vê pessoas nas ruas reclamando de nada, onde a capacidade de mobilização é nula, onde se acostumou a ver escandalos na TV como se fossem novelas em que ninguem torce pelos mocinho, até porque parece que a novela não tem mocinho, somente bandidos e, como numa novela, parece que não podemos modificar o final que seu autor decidir...Mas! lembrei agora que algumas novelas já tiveram seus finais modificados por causa do público, então talvez seja possível sim mudar a novela da vida real, só depende de cada um de nós começar a cobrar dos "autores" maiores responsabilidades com os personagens, que eles façam os mocinhos aparecerem e coloquem os bandidos nas cadeias, que eles criem mecanismos para que esses bandidos não voltem à cena e que paguem por seus crimes sem o artifício da loucura, tão comum nos folhetins.
Será que continuaremos a ver atônitos (ou será que mais nem isso) o desenrolar desse pastelão: Quem deveria cuidar da justiça se aliando a bandidos; presos tendo direitos que muitos brasileiros ainda nem conhecem; políticos concorrendo a eleições apesar de estarem respondendo a processos por corrupção; ataques frontais ao Estado, sem que medidas sejam tomadas; cidadãos tendo que se esconder porque esse ou aquele marginal decretou luto?
Vi agora pela manhã um senhor dizendo que não liberar presidiários do semi-aberto por causa de 10% que não voltarão às cadeias seria prejudicar os outros 90% que devem voltar; a senhora juíza os liberou "porquê não há provas de que eles vão cometer crimes..." - Eu me pergunto: E a coletividade das pessoas aqui fora que será assaltada, sequestrada e morta por causa desses "10%" pode ficar prejudicada? - Há provas de que eles não irão cometer crimes? - A senhora juíza conhece o caráter de cada um dos 10 ou 12 mil presos que ela está liberando? Pode garantir que são presidiários que querem ser reabilitados? É justo a população pagar por isso?
É justo que você pague à família do preso um salário mínimo pelo fato do descarado ter roubado alguem e ter tido o "azar de ser preso"? - Porque se fala tanto em proteção à criança, mas se permite que o preso tenha encontros íntimos e traga ao mundo mais crianças que já nascerão sob o peso da criminalidade? Por que se permite que crianças visitem seus pais (e as vezes nem são pais mesmo) na cadeia e sejam expostas aquele ambiente terrível, sendo sujeitas a virarem reféns, serem influenciadas pelas companhias de seus pais presos, crescerem romantizando aquela vida de bandido e depois se vai a TV para falar de "proteção à infância"?
É justo que alguem que aos 17 anos cometa um homicídio e esteja solto após 03 anos de internamento, sem que nenhum registro disso permaneça? Será que esse alguem realmente não tem consciencia do que fazia? Ou seria mais justo que ele fosse avaliado para se determinar seu grau de entendimento?
É justo que quem cometa um crime seja solto após cumprir um sexto da pena, simplesmente por que não havia registro anterior de que tenha cometido outro crime? É justo que se gaste o dinheiro de nossos impostos cada vez que um vagabundo é condenado a mais de 20 anos em júri popular, por que ele tem direito automaticamente a outro julgamento? POR QUE TEM QUE SER JULGADO DUAS VEZES?
Por que uma pessoa é condenada a "X" tempo na cadeia e acaba ficando "X+Não sei mais quanto tempo" porque não existe um mecanismo que facilite a soltura dessa pessoa? Por quê é tão difícil se criar presídios diferenciados pelo tipo de crime cometido e se mistura o "ladrão de galinha" com o homicida e o sequestrador? Por que crimes cometidos contra agentes do Estado não são punidos mais rigorosamente? Por que invés de "delação premiada" reduzindo penas nós não temos "obstrução de justiça" aumentando a pena de quem deixar de colaborar?
Alguem aí pode me responder a isso?
Postar um comentário