Páginas

terça-feira, setembro 12, 2006

tatuagens, proibições e bobagens


Vi no jornal hoje à tarde que no Rio de Janeiro estão proibindo que jovens menores de 18 anos, mesmo com a permissão dos pais, possam ser tatuados. Alguns depoimentos foram mostrados na tentativa de manter a reportagem imparcial e dar voz a quem defende ou renega a tal decisão que, confesso, não entendi bem de quem partiu, se do poder judiciário ou do executivo. Eu acho a determinação uma IDIOTICE que não vai resolver problema algum, ao contrário só irá polemizar um ponto de vista, afinal qual o objetivo da lei? Isso a reportagem não mostrou.


Se me perguntarem se sou a favor de que os jovens usem tatuagens desde a mais tenra idade, responderei o seguinte: Não, não sou a favor! Aliás, acho que tatuagem é uma coisa séria e que deve ser pensada e repensada com maturidade, não apenas para refletir uma moda ou marcar uma paixão, mas é preciso que os jovens descubram isso por si próprios, é preciso que os jovens sejam orientados por seus pais e educadores sobre os riscos, sobre a quase irreversibilidade daquele ato e até das reações sociais que a pessoa pode causar; proibir apenas retira do jovem uma opção, não o conscientiza sobre o assunto. Em verdade cria apenas o risco, como disse um tatuador ouvido na reportagem, de que o jovem procure um clandestino e faça a sua tatoo sem os cuidados necessários, com material de baixa qualidade e sem profissionalismo.
Tatuagem, piercing ou outro tipo de modificação corporal envolve sérios riscos e requer uma maturidade que nem todo jovem possui, apesar de muitos acharem que sim; claro, eles são donos de seus corpos e têm todo o direito de dispor deles da forma que melhor lhes aprouver, mas para que possam fazer isso é ncessário que sejam antes educados e desenvolvam a consciencia da complexidade de resultados que sua ação pode desencadear; doenças transmissíveis, desenvolvimento de alergias ou feridas que custem a cicatrizar, infecções, estigmas sociais, arrempendimento posterior, etc.
Criminalizar a tatuagem demonstra o quanto ainda existem estigmas e preconceitos e quanto a decisão de colocar na pele uma simples tatoo pode trazer isso a tona, ainda outro dia ouvi de uma amiga, logo após eu ter elogiado a tatuagem de uma garota na TV, que "se eu fosse homem nunca 'pegaria' uma mulher com tatuagem, deve ser tudo galinha ou cheia de risco" (sic), e olha que é uma pessoa de formação superior, trabalhando com quebras de tabus e preconceitos em saúde.

Minha avó costumava dizer que "gente é tudo doido", concordo muito com ela nesse aspecto, principalmente quando vejo determinados extremos em relação a modificaçãop corporais e que vão além de simples tatuagens, incluindo implantes ou remoções de partes do corpo, mas devo admitir que além de loucura deve existir muita coragem para realizar tais façanhas; chifres, caudas, línguas bifurcadas e até mutilações fazem parte dessa cultura que quer recriar o ser humano, só não sei bem à imagem de quem, dizem eles que "nunca quiseram ser diferentes, apenas serem quem realmente são". Confira.

Não, ele não é quem você está pensando.

Esse aqui quer virar gatinho, confira aqui as modificações que ele fez (em inglês)
Clique na foto para ver mais
Postar um comentário