Páginas

segunda-feira, dezembro 10, 2007

Querem estabelecer cotas na TV

Aqui no Brasil quando faltam políticas sérias de inclusão e incentivo, seja à educação, segurança ou à produção artístico-cultural, vem logo um político (que diz representar nossos interesses) e propõem algo absurdo como algum sistema de cota ou uma nova lei de "defesa da minorias", quer exemplos?

A violência contra a mulher crescia assustadoramente, criaram uma lei específica que pune com mais rigor o cara que bate na esposa, com delegacias especializadas, atendimento diferenciado, etc. Não deu certo, que fazem então? Criam uma nova lei, mais rígida e com mais proteções, colocam o nome de uma vítima (que durante anos sofreu pela ineficiência do Estado em protegê-la - e a todos os cidadãos) e comemoram como se isso fosse um verdadeiro avanço em direção ao primeiro mundo. Podiam bem ter investido em educação e no efetivo cumprimento da legislação "normal", até porque a Constituição não admite que as pessoas sejam tratadas de modo distinto ao "todos são iguais perante a Lei..."

Descobrem que a maioria negra do país dificilmente consegue chegar a concluir o 2º Grau, quanto mais chegar a Universidade, que fazem? Jogam de lado o fato dessa enorme população que não consegue estudar não é ser formada de negros, mas de pobres e criam cotas universitárias, assim resolvem o "problema imediato", ganham pontos junto à população e continuam não investindo o suficiente na educação básica, para que os pobres possam efetivamente ter as mesmas chances do mais dotados fincanceiramente, sejam eles negros, pardos ou brancos.

Mais exemplos? Não conseguem evitar a entrada de celulares em presídios, então colocam bloqueadores caríssimos e ineficazes nas redondezas - Não conseguem efetuar um planejamento para a saúde, culpam a falta de recursos e prorrogam indefinidamente uma "contribuição" obrigatória.

Agora querem obrigar as TVs, estabelecendo cotas de modo que 50% da programação dos canais por assinatura seja obrigatoriamente nacional. Isso mesmo, essa é a proposta de emenda do Putado Jorge Bittar (PT-RJ) - Já que a produtoras nacionais "são incompetentes para serem queridas pelo povo, vamos obrigá-los..." - Como se elas precisassem disso; nossos programas são suficientemente bem produzidos para que conquistem seu espaço sozinhas. Eu quero ter a liberdade de poder escolher meus canais e vê-los (inclusive os muitos nacionais de excelente padrão) sem ser obrigado a engolir qualquer coisa só porque é nacional.

Lembram-se da época em que o cinema pornô nacional deslanchou? Incentivo de cotas do governo, era fácil, barato e subsidiado... Conteúdo? A Alcione Mazzeo peladona na tela de TV.

Se você também é contra essas idiotices deputadas, clique AQUI e proteste.
Postar um comentário